Posts Tagged ‘feriado’

Almoço e sobremesa de feriado

07/09/2010

Esse feriado foi bastante rico em termos gastronômicos, não do ponto de vista da comilança de várias delícias, e sim de experiências culinárias, simples mas que valem à pena.

Ontem foi a primeira vez que tratei (tirei aqueles nervinhos que ficam no meio do peito, gordurinhas e pelinhas brancas) e temperei um frango. Filé de frango na verdade. Tratar e temperar um frango já outra história né?!

Liguei pra minha mãe (ela sempre dá assessoria gastronômica ao telefone. Uma vez fiz um Camarão ao molho de coco e meu irmão fez um Lombo com receita, dicas e truques dadas ao telefone), e na base do sal, azeite, alho, orégano e Sazon temperei o danado. Resultado: o almoço do feriado, simples mas gostoso e melhor, feito por mim.

Foto de Rapha Oliveira

Pra acompanhar, descasquei e cortei umas batatas (cruas mesmo) e assei (se coloca um pouco de azeite, mas bem pouquinho, só pra dá um gostinho) na mesma panela e ao mesmo tempo em que estava fazendo o frango. Assim as batatinhas pegam um pouco do tempero do frango, principalmente do coentro, que coloco quando o frango está quase no ponto. Hoje esqueci de colocar alho :( mas mesmo assim ficou muito bom. Detalhe: o objetivo não é fazer com que as batatas fiquem crocantes, e sim que elas fiquem assadas mas molinhas. Um molho de tomate e um arroz com cenoura foram o restante do acompanhamento. Com suco de maracujá, claro.

Ao mesmo tempo em que tava fazendo o almoço, fiz um bolo. Ontem, assim que entrei no The Cookie Shop, dei de cara com um Bolo de Leite Condensado, só que por incrível que pareça não tinha leite condensado em casa, e não tirei ele da cabeça até comprar o bendito leite hoje pela manhã e começar a fazer o bolo.

Segue abaixo a receita:

Bolo de Leite Condensado

  • 1 lata de leite condensado
  • 4 ovos
  • 1/4 de xícara de manteiga derretida e fria
  • 1 xícara de farinha de trigo (aqui em casa a gente praticamente só usa farinha com fermento)
  • 1/2 colher de sopa de fermento em pó

Unte com manteiga e polvilhe farinha de trigo numa forma de buraco no meio de 22cm. (minha forma foi um pouco maior, por isso ele ficou com esse aspecto de bolo solado que não cresceu, mas ele ficou bom) Ligue o forno para aquecer a 180°.

é pra isso que serve um pão-duro

Numa tigela grande, misture o leite condensado, os ovos e a manteiga. Peneire sobre essa mistura a farinha e o fermento e misture até ficar homogêneo. Passe a massa para a forma preparada e asse até passar no teste do palito (mais ou menos 30 minutos). Desenforme frio e polvilhe açúcar de confeiteiro se quiser.

Gostei do resultado, mas pra falar a verdade esperava que ele fosse um pouco mais fofinho. A textura dele é diferente, parece uma esponjinha, quase que um pão de ló (não é bem isso não, é só pra dizer que a textura é diferente), é que aqui em casa ninguém é muito chegado ao danado do pão de ló, mas o bolo é gostosinho mesmo assim. Deve ficar bom com geléia de morango, doce de leite e outras cositas más. Irei testar com uma calda de morango que tem aqui em casa, depois falo como ficou.

Nota: 7

Anúncios

Indico – música

06/09/2010

Feriado combina com música. Aliás, tudo combina com música. E é nesse clima de descanso que o Indico- Música vai ao ar hoje. Quando escrevi o post Bandas de Lá, pensei em colocar em seguida a música Feriado Pessoal de Bruna Caram, mas acabei esquecendo. Hoje Luquinhas “tuitou” o clip dessa música (e eu, apaixonada por stop motion, achei super fofo) para noticiar que dia 01 de outubro ela estará em Recife abrindo o show da Zélia Ducan no Teatro da UFPE. Ah, nesse contexto também cabe a música Caminho pro Interior da mesma Bruna.

A música é relaxante e ao mesmo instigante pra quem tá a fim de soltar os cachorros e pedir pra todo mundo (ou alguém em específico) largar do seu pé! Além de que Bruna é linda, tem uma voz madura e ao mesmo tempo doce, que encanta e anima.

Segue abaixo o release oficial do site da Bruna:

Seja das ondas do rádio onde soava a voz de sua avó Maria Piedade, seja dos saraus e rodas de choro da família, Bruna Caram respira música desde os primeiros soluços. Nascida em Avaré (SP), berço do tradicional festival de MPB, Bruna caiu cedíssimo em caldeirão de sofisticadas referências musicais e, aos 7 anos, já estudava piano. Aos nove, ingressou nos Trovadores Mirins.
Depois, aos quinze, foi para a “divisão principal” dos Trovadores Urbanos, onde ganhou jogo de cintura e valiosa quilometragem em contato com os mais diversos tipos de público. “Um dia, um cara nos contratou e disse: ‘capricha, que é reconciliação’. Chegamos lá e a menina chorava tanto que interrompemos a serenata no meio. Ela estava arrasada”, lembra Bruna.
O empurrão para a carreira solo veio pela indicação da tia Lucila Novaes. O compositor Otávio Toledo retirou do baú de memórias uma série de composições que havia feito aos 18 anos e pediu a Lucila que cantasse. Ela indicou uma sobrinha, aquela garotinha dos Trovadores, que estava com 19 anos. Assim nasceu “Essa Menina”, álbum de estréia de Bruna, lançado pela Dábliu Discos em
2007.

Bruna agarrou o projeto como se fosse seu e imprimiu sua marca. “Ficou tudo com o meu jeito, não corri o risco de me deixarem de lado. Participei da produção, mas rolou um medinho”, entrega. O álbum, que foi lançado no Japão em 2007 com enorme sucesso, traz somente canções de Otávio Toledo e de seus parceiros musicais, J.C.Costa Netto e Juca Novaes. Uma delas, “Palavras do Coração”, alcançou grande rotação nas rádios e alçou Bruna ao posto de uma das grandes promessas da MPB.

Prestes a se formar em Educação Musical pela UNESP, Bruna lança seu segundo álbum, “Feriado Pessoal”, também pela Dábliu. Com produção de Alexandre Fontanetti (Rita Lee / Zélia Duncan), o trabalho traz três releituras além de composições inéditas, revelando uma nova safra de artistas brasileiros escolhida a dedo para impor o frescor que Bruna traz à música brasileira. Na capa, ela aparece rindo, radiante, no alto do edifício Copan, 35 andares acima do chão paulistano. Parece caçoar do horizonte de prédios, do cinza, da pressa, da síndrome do pânico a cada esquina. E é por aí mesmo. “Minha idéia era: esse som vai atravessar a cidade”, confirma Bruna.

Para saber mais: Blog / Site / My Space