Archive for the ‘quem não comunica se trumbica’ Category

# hihihi

23/02/2011

 

Tão doidinhos, acho fofo.

ps: pra quem não conhece esses são os Les Lapins Crétins (Raving Rabbids), um jogo produzido pela empresa francesa Ubisoft. Nunca joguei =P deve ser legal né?!

viva a língua!

02/02/2011

Essa campanha da escola de línguas EF Language Schools é perfeita. Pessoas vivenciando cada cidade e descobrindo sua cultura através da língua. Conheci no blog don’t touch my moleskine, lá tinha um vídeo de Paris mas fui olhar a fonte e vi esses outros vídeos também maravilhosos. Engraçado é assistir o de Pequim e ficar deduzindo as palavras, uma vez que de fato não se compreende nada através das letrinhas chinesas.

 

# stop motion, i love u

05/01/2011

Esse é um daqueles filmes que dá vontade de pegar fotos antigas e relembrar momento.

Campanha da marca Olympus. 60.000 mil fotos, 9.600 fotos impressas e 1.800 fotos novamente. Sem pós-produção.

desconectar para conectar

29/12/2010

Gosto muito de internet, muito mesmo. Passo muito tempo conectada, durante todo o dia no trabalho e quando chego em casa a primeira coisa que eu faço é ligar o computador. Ao mesmo tempo consigo ficar desconectada tranquilamente, de qualquer forma thanks God por não ter um celular que permite tal acesso (dizem as más línguas que nem tenho um celular que permite falar, quanto mais um que se acesse a internet. anyway, ganhei um celular da minha irmã neste Natal \o/ e abandonei meu Xing-Ling da Santa Efigênia de vez) porque sei que vira e mexe daria uma futucada em minha vida virtual.

Enfim, esse vídeo enviado por um amigo (ae @calistotj) reflete bem o tipo de relação que temos nesse mundo de relações virtuais e as que deixamos de ter se estamos conectados todo o tempo.

#stop motion, i love u – moleskine, i love u too

13/12/2010

Todos os blogs e twitters imagináveis já postaram ou tuitaram esse vídeo. Eu o vi exatamente no Fubiz após postar o stop motion da semana passada, então não ia encher a semana de stop motion (se bem que não acho uma má ideia, adoro mesmo) e mesmo “atrasada” posto ele aqui porque moleskines e stop motions nunca são demais. Campanha para os moleskines ”Extra Small Planners”.

ps: ah, já falei que tenho pena de escrever no moleskine? o meu tá em branco… (mas o meu é uma imitação do moleskine. sinceramente? preferi comprar esse de capa xadrez preta e branca que o moleskine propriamente dito)

ps2: só em ouvir falar de moleskine lembro desse blog fofo que leio sempre e já falei dele por aqui – don’t touch my moleskine 

uma inspiração muda tudo

16/11/2010

 

#colorindo3

28/10/2010

Esse blog anda abandonado né?! Eu sei…mudança de rotina exige organização e tô meio perdida ainda. Mas enfim, só pra dá uma movimentada no danado e pra alegrar um pouco o dia vai um video bem legal (na verdade é uma propaganda, “véia” que só mas que não canso de ver) pra deixar o mundo colorido.

Já que você viu o vídeo e achou massa, dá uma olhada como ele foi feito.

ps: seria lindo se chovesse colorido =D

 

eu falo mal, tu falas mal, ele fala mal…falemos mal então.

17/09/2010

E ontem foi o VMB. E enquanto passava a premiação, não havia outro assunto a ser debatido no Twitter a não ser o quanto Hori, Restart, Cine e essas bandas de público alvo adolescente eram ruins e mesmo assim estavam faturando todos os prêmios.

Eu, inclusive, também falei mal.

Algumas semanas atrás foi o prêmio Multishow e as mesmas bandas faturaram vários deles (não vou aqui discutir a questão dos prêmios, da mídia e dos produtos de consumo. Deixa isso pra depois).

Mas é que hoje os comentários continuaram e achei bem interessante perceber vários pontos de vista. Gente falando mal das bandas, dos prêmios, das roupas e gente falando mal de quem fala mal das bandas. Gente falando mal da MTV e mesmo assim assistindo (pra ter o que falar, provavelmente, ou não), e gente falando mal das pessoas que estavam falando mal sobre a premiação e mesmo assim estavam assistindo.

Pontos de vistas iguais e pontos de vistas diferentes.Todo mundo achando que o seu comentário está abafando porque você tem o gosto musical extremamente rebuscado e que seus ouvidos só escutam coisa de primeira; e gente falando mal de quem fala mal das bandas se achando extremamente tolerante porque não acha a banda ruim (ou talvez até ache) mas um dia vai criticar (ou já criticou) alguém porque não gostou ou não entendeu o filme “X” de Godard ou de Buñuel (Buñuel quem?).

Acho que no fim das contas o que vale é isso mesmo. Falemos todos mal, falemos todos bem. O que importa é se expressar. Pra que todo mundo tem blog, site e ficam falando um monte de baboseira musical, literária, filosófica, e etc??? Pra expressar o seu gosto e sua opinião sobre diversos temas. Você por acaso vai indicar e falar no seu blog algo que você acha ruim? Provavelmente não.

Dá pra entender que as pessoas têm gostos diferentes, e que mesmo que ela seja tolerante pode falar mal de uma banda, filme, livro, ator e etc? Mas assim como ela fala mal da banda, você tem o direito também de falar mal da opinião dela que é falar mal da banda.

Como dizia o filósofo Voltaire “posso não concordar com nenhuma das palavras que você diz, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las”.

Mas cheguei à outra conclusão: o ser humano é mesmo contraditório, e quanto mais a gente “cresce”, mais intolerante a gente fica. Afinal, eu gostava de Backstreet Boys, Dominó, Spice Girls (só pra começar a lista, se eu falar ela toda vocês me desrespeitam, seus intolerantes) quando era adolescente. Vai me dizer que eles eram melhores que Restart, Cine, Hori, NXZero e Fresno?

Ah, minha playlist de hoje tem Jorge Drexler, Kelvis Duran, Lady Gaga, Nação Zumbi, Caetano Veloso e otras cositas más. Posso?

ps: falar mal não significa desrespeitar hein galera?!

Mas já que esse assunto foi gerado a partir do VMB, quero constar que o melhor da premiação foi ver o Mombojó vestido assim:

papapa

 

A hunter shoots a bear

03/09/2010

Fazendo jus à minha formação de publicitária (sério?! pensei que você fosse jornalista! Todos acham isso, eu realmente não sei porque) o post de hoje vai pra isso aí embaixo. Foi uma tuitada do Danilo Siqueira do @letsvamos partir de outros e vai estar aqui também. Também já tá no brainstorm (claro!) e @aprancheta tuitou há pouco. Só coloquei essas últimas informações pra você dá uma olhada nessa galera e ver quanta coisa legal eles postam. Já falei do Danilo aqui naquele vídeo do Steve Jobs e A Prancheta tem um link aí ao lado. :D

E lá se vai a minha tentativa de sintetizar as coisas…PQP! não consigo!

ps: meu brother que mora em Brasília, disse que comprou pra namorada o livro que indiquei aqui no brog.

:D fiquei feliz :D mas ele reclamou comigo, dizendo que meus posts eram muito longos e que ás vezes ele desistia de ler.

Brother, don’t give up the fight! please!

Anyway…

ps: dances, kisses, laughes, jokes, fucks, smiles, writes, eats, drinks, works – quero mais sugestões depois!

Celular sustentável.

15/09/2009

todos2

Tenho freqüentado vitrines e sites de lojas de celulares pela primeira vez em 7 anos, pois precisarei comprar um pra mim. Mas isso não significa que eu não possua um número de celular e sim que até hoje tenho procurado maneiras de não gastar dinheiro com isso.

Ganhei meu primeiro celular dos meus pais quando tinha 17 anos, até um pouco tarde para a minha geração. Quando eu tinha 15 anos o celular já havia se tornado algo comum entre as pessoas de minha faixa etária e a novidade eram as tais das mensagens. O velho “tijolão” não usufruía dessa possibilidade e aqueles pretinhos da Nokia (acabei de pesquisar o seu “nome” Nokia 5120) com a antena pequena eram o maior sucesso.

O meu foi o Nokia 3310 (até hoje não sei o nome de nada, tô pesquisando agora), com tecnologia GSM. Plano pago pelos pais, todo mês eu zerava o contador do registro de chamadas para ter certeza que eu não ultrapassaria os minutos do plano. O dinheiro não era meu, e eu tinha que usar a premissa do meu pai que “celular é pra emergência e não pra bater papo”.

E em um belo dia ensolarado, propício para fotografias no Parque da Jaqueira o dono levou o celular. Eu e a turma da Comuniquê (quando ainda nem se chamava assim) fomos assaltados. Meu pai comprou um celular bem baratinho oferecido pela Oi, um aparelho da Motorola “bonitinho mas ordinário”. Sua bateria durou exatamente 11 meses, foi quando eu descobri o porquê dele ter sido tão baratinho.

O próximo celular veio de uma oportunidade, uma colega de trabalho estava deixando o emprego para ir morar nos Estados Unidos sem previsão de volta e eu pedi celular dela. Ela não ia fazer nada com ele…e apesar dele não ser dos mais modernos é resistente até demais. Entre idas e vindas está comigo há 3 anos.

Digo idas e vindas porque ele morreu por um tempo, e durante esse período passei 3 meses sem celular (sim, eu sobrevivi!), depois ganhei um namorado e um celular de uma vez só :D Na verdade só comecei a namorar com ele porque vinha junto com um celular, mas este também não era novo, assim como o namorado (brincadeirinha!!!). Depois que o Siemens morreu eu voltei a usar o Nokia de Gabi e nesse tempo ganhei um VALE-CELULAR dos meus irmãos que até hoje não passou de um pedaço de papel.

Com indícios de novo infarte do Nokia, minha irmã me passou o LG dela. E isso só aconteceu porque ela usava dois aparelhos e perdeu um dos chips (será que ela perdeu mesmo ou alguém deu o sumiço nele? Uhahuahuahu RISADA DE BRUXA) então um aparelho ficou inutilizado. Agora o LG começa a dar sinais de morte, ele não toca mais e eu não consigo escutar as pessoas. Funcionava bem com o fone de ouvido, mas agora até o fone pifou.

E adivinhem quem está comigo novamente? O Nokia de Gabi, claro!! Mas ele já não é mais o mesmo, e de vez em quando solicita que eu coloque o chip mesmo com ele

já dentro, ou então desliga bem na hora em que você está em uma situação periclitante, sem contar que a bateria dele só dura um dia.

Ainda tinha alguns comentários a fazer sobre a indústria telefônica, mas como sei que ninguém vai chegar ao fim do post (tenho que colocar em prática meu poder de síntese) finalizo com aquela cara de pidona e perguntando: alguém tem um celular pra mim?

Música de hoje: Pretinha – Farofa Carioca