porque existe muito mundo no mundo e eu não posso ficar aqui

‎”Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas próprias árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para conhecer o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para estar bem sob o próprio teto. Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”. (Amyr Klink) via @manudonato
Tem dias que dá essas agonias. E ela só passa quando a mala é feita e o caminho é traçado.
Anúncios

Tags: ,

4 Respostas to “porque existe muito mundo no mundo e eu não posso ficar aqui”

  1. alemmaralemmim Says:

    Mari, incrivelmente lembrei dessa frase ontem (08/01/11).
    Lembrei também de todo o contexto, nossa agonia de conhecer, viajar, crescer, descobrir, viver, encontrar, a nós e nosso caminho. Sem falar do desejo disso tudo permitir uma paradinha em Paris :D
    Ai, isso também só fez me ter mais vontade de voltar a estudar francês, que por tabela me faz lembra de você.
    E ai, lembro que “porque existe muito mundo no mundo e eu não posso ficar aqui”, que o mundo é bem grande e diverso, mas que todo ele/eles acabam partindo e chegando extamente de nós.
    enfim.
    O blog é lindo, e foi uma bela desculpa pra dizer que lembrei de tu.

    :***

    • Mari Leal Says:

      Num é, parece que essa agonia não passa nunca! hehehehe

      Tenho fé que um dia viajaremos juntas pra “parler français” !!!

      e lembrar tudo bem, mas cadê que a gente não se encontra flor?!

      saudadinha! bisous

  2. Pati Says:

    Super verdade esse texto. Ultimamente estou assim: querendo o novo, mas mantendo o velho (será que dá??). Ando tão cansada que minha vontade é sair por ai (mesmo que sem rumo) pra conhecer, sentir, coisas novas. Viajar prum lugar inusitado, comer aquela comida que eu não comeria, cheiros novos e fotografar tudo com a mente (igual a Kirsten Dunst no filme Elizabeth Town)

    =*

    • Mari Leal Says:

      dá sim, dá pra conciliar tudo Pat ! heheheh o velho e o novo, mas acredito, principalmente, que não se pode ter medo de mudanças, essa é a premissa!

      =****

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: